Para um correto planejamento e execução das reabilitações orais através dos implantes, é necessário que se faça a coleta de informações, sejam elas, locais ou gerais.
Informações gerais, dizem respeito as condições sistêmicas (de saúde) dos pacientes.
É necessário avaliar, se os pacientes podem receber as diversas abordagens cirúrgicas de colocação dos implantes. Pacientes portadores de doenças como diabetes, doenças auto-imunes, cardiopatas, hipertensos, alterações metabólicas com repercussão no metabolismo ósseo, tabagistas, podem, dependendo do quadro clinico, serem contra-indicados a receberem os procedimentos de implantes.
Também deverão ser submetidos a uma rigorosa inspeção local, para ver se há tecido ósseo suficiente - quantidade de osso - altura e espessura, assim como boa qualidade de osso.
Exames laboratoriais (hemograma, coagulograma, glicemia, exames do metabolismo ósseo, urina I), são solicitados de rotina, no pré-operatório. Avaliação cardiovascular e outras avaliações médicas pertinentes, também podem ser solicitadas.
Exames de imagem (radiografias convencionais) e atualmente as tomografias volumétricas, são necessários para um correto planejamento e execução dos procedimentos.
Programas de imagem - como o Dolphin Imaging - ajudam nos planejamentos e
fazem com que os procedimentos sejam mais precisos.